Sexta-feira, 21 de Abril de 2006

Lingua e Cultura nos meados do dec. XX(1)


O modo de vida dos habitantes de Mouriscas era pautado, nos meados do século passado, por uma cultura muito própria, da qual, se salientam, neste trabalho, dois significativos traços: a linguagem verbal  própria e as técnicas tradicionais,  interligados e indispensáveis para a compreensão do mundo rural e do sucesso da empresa agrícola

A linguagem oral utilizada, muita dela de natureza popular, era essencial para a   identificação e entendimento intragrupal da realidade mourisquense.

As alfaias agrícolas, conjunto de objectos, ferramentas, artefactos ou utensílios utilizados, em Mouriscas pelas gentes do campo nas suas polivalentes e multifacetadas tarefas do dia-a-dia,  constituíam o material indispensável a uma exploração agrícola.

O  inventário de uma e outras,   ajudar-nos-ão a sair do esquecimento as nossas gentes e a sua linguagem e  a perpetuar e transmitir a nossa memória e dos nossos antepassados para os nossos vindouros, "do ontem para o amanhã, através do hoje".

Darei o primeiro passo tirando do fundo do meu bornal de lembranças, aquelas vivências do mundo rural, interiorizadas pela socialização e enculturação, na minha juventude e adolescência, resultantes de uma aprendizagem assente no saber-fazer. Informação valorizada ainda pela leitura de várias obras da especialidade, que serão referenciadas no final deste trabalho.

Será o mesmo apresentado sob a forma de Glossário,  constituído por um conjunto de vocábulos dispostos por ordem alfabética, com o respectivo significado. Aqui e ali ilustrados com imagens visuais. E a  publicação realizada por partes.

 

Abacelar- Plantar bacelos*. Enterrar as raízes de certas plantas.
Abada- de aba .s. f., pop., O conteúdo do avental dobrado formando uma espécie de saco ou do chapéu a servir de alcofa: uma abada de couves.; regaçada; fig., grande porção. Cabazada*
Abalar- Ir embora, deixar a terra e a família.
Abancar- Sentar em banca, banco ou à mesa para tomar alguma coisa ou uma refeição. Guarnecer com bancos.
Abano- do latim vannu, crivo, joeira, Instrumento em forma de leque, de palha, junco, madeira, cana, papelão ou pano para agitar o ar com o fim de atiçar o fogo ou refrescar o corpo. Leque.
Abantesma- do grego phantasma. O mesmo que aventesma. Ser imaginário, fantasma.
Abarrotar- Encher muito, fartar, empazinar. Estar completamente cheio: estômago cheio de demais.
Abegão- do latim abigõne, Carpinteiro de carros e do resto dos apetrechos de lavoura: grade, arado, ... .O que trata de abegoaria, feitor, caseiro.
Abegoaria- Lugar onde se guardam o gado e os utensílios da lavoura
Abelharuco- Pássaro sindáctilo que se nutre de abelhas.
Abelhudo- de abelha, O que se intromete em tudo e procede como a abelha à procura de alimento por toda a parte.
Abichar- Apanhar, conseguir qualquer coisa vantajosa.
Abóbora- do latim ardio apopora, Nome vulgar atribuído ao fruto e toda a planta de algumas espécies e variedades dos géneros Cucúrbita e Lagenária da família das curcubitáceas, quase todas comestíveis: A. chila- planta vivaz herbácea, originária da China; A. menina- Planta anual originária da Ásia meridional; A. porqueira- Planta anual originária da Ásia meridional, com várias variedades; A abóbora cabaça ou Cabaça. Espécie de abóbora em forma de 8. Servia para os pastores levarem água.
Aboca- Voz com que se manda aos cães para que boquem ou aboquem a caça.
Aboiz- O mesmo que boiz*.
Abrunheiro- Planta rosácea que dá abrunhos*. Ameixeira brava.
Abrunho- do latim apruneu. Fruto do abrunheiro. Ameixa.
Acachapado- Acaçapado, escondido, agachado, encolhido.
Açafate- do ár. assafat=cesta, Cesto baixo, redondo ou oval, sem tampa nem asas, feito em verga fina.
Açafões- Meias calças de pele, externas, usadas pelos pastores. Safões*.
Açaime, ançaimo ou açame, ou açamo- Cabrestilho de couro ou de metal que se coloca ao focinho dos animais para não morderem ou não comerem. Mordaça.
Acamar- A inclinação das searas até se deitarem seja com o peso das espigas, seja pela acção do vento. Ficar doente na cama. Dispor em camadas.
Acartar- O mesmo que acarretar. Transportar à cabeça, às costas ou de qualquer outro modo.
Açãs- Bichos que aparecem na carne, designadamente, nos presuntos mal salgados, e no queijo.
Aceifa- Corruptela de ceifa*
Aceiro- do latim tardio aciãriu, de acie=fileira, Terreno arroteado ou desbravado em volta das matas para evitar a difusão dos incêndios. Arruamento, faixa de vegetação.
Acendalha- Substância combustível com que se ateia o lume, como aparas, cavacos, pinhas, caruma, carquejas, ... .
Acenha- Corruptela de azenha*.
Acha- Cavaca, lasca, pedaço de madeira toscamente cortada, lenha para o lume. Lasca
Achincho, chincho, axincho- Aro de lata, da forma cilíndrica, com ou sem buracos para dar forma ao queijo na altura da sua preparação. Quando pequenos chamam-se formas.
Acoitar- de coito=couto, Abrigar-se das intempéries, dar asilo, acolher. Proteger.
Açorda- do árabe ath-thurdâ, Comida de migas de pão, adubada de forma diversa,- carne de porco gorda, toucinho, banha- que se tempera com azeite, alhos, ervas aromáticas ... . Fig. Papa-açorda; palerma, indolente.
Acostumado- O mesmo que costumado*. Avezado*.
Açougue- do ár. as-sõq=Mercado, feira, local onde se vende carne. Talho.
Acravar- de cravo, Enterrar na terra, meter dentro de água. Atolar.
Açúcar- do ár. as-sukkar, Substância doce que se extrai da cana sacarina, da beterraba, ... , muito utilizada na alimentação humana. Açuquere: corruptela de açúcar.
Açucareiro- Recipiente para guardar o açúcar, de barro ou metal.
Açude- do ár. assuddI=obstáculo, obstrução. Muro que se faz num rio ou ribeiro para dirigir as águas a um lugar mais ou menos afastado do leito por onde naturalmente corriam. De pedra e cal ou estacada de madeiras é construído transversalmente ao leito. A partir dele a água é conduzida por uma levada* ou canal, para ser utilizada para accionar ao moinhos e as azenhas e lagares de azeite e nas regas. Represa de água.
Açular- Instigar, provocar o cão a morder. Acirrar.
Açuquere- Corruptela de açúcar*.
Adega- do grego apothéke= depósito, armazém. Casa térrea onde se guardam o vinho e outras bebidas alcoólicas. Também aí, por ser um lugar fresco, são guardados o azeite, o mel, as azeitonas, a salgadeira, ... . Celeiro, cave.
Adeus- Cumprimento ou sinal de despedida que significa: Deus fique contigo, Deus vá contigo, Deus te acompanhe ou entrego-te a Deus ou encomendo-te a Deus.
Adiamento- Isenção temporária dos mancebos presentes, anualmente, à junta da inspecção militar, por motivos de estudo ou por robustez insuficiente. Ficar adiado.
Adiantado- O que se adianta. O que vem ou veio antes do tempo.
Adobe- Tijolo* de terra argilosa e não cozido ao fogo, mas somente seco ao Sol e às vezes misturado com palha para melhor ligação e não rachar. Adobo.
Adorno- Atavio, enfeite, ornamento, adereço.
Adro- do lat. atriu, Terreno aberto ou murado, situado em frente ou em volta das igrejas.
Adubar- do germ- dubba= temperar. Condimentar. Fertilizar plantas.
Adubo- Substância fertilizante que utiliza nas plantas. Em culinária refere-se ao tempero ou condimento das comidas, com os ingredientes gordurosos(azeite, manteiga e toucinho). Estrume.
Aeroplano- Avião.
Aferventada- Diz-se da comida submetida a uma rápida fervura.
Afiado- Diz-se da ferramenta com gume bem cortante, amolado, aguçado.
Afiar- Dar fio a, aguçar, amolar.
Afinfar- Bater, dar pancada.
Afogar- Termo usado no século XVIII, que hoje significa refogar*. Privar da respiração, submergir, asfixiar. Afogar-se em pouca água: Afligir-se com a mais leva coisa.
Afolhar- Dividir o terreno em folhas para alternação das culturas. Criar folhas.
Agachar- Esconder, encobrir. Abaixar-se para não ser visto. Curvar-se. Humilhar-se
Agafanhar- Agarrar, Roubar.
Agoiro-Presságio, vaticínio, superstição. Predição do futuro
Agoniado- Indisposto do estômago. Causar agonia, aflição, náuseas.
Agrião(Nasturtium officinale, R)- Planta herbácea vivaz da família das crucíferas que cresce espontâneamente nas águas correntes das ribeiras e que, como a cultivada, serve para saladas. Quando usado como xarope fortalece o organismo e em sinapismo utiliza-se como revulsivo.
Água ruça- Água escura provenientes dos lagares de azeitona, que se deitava para os vales e ribeiras. Almofeira*
Aguadouro ou Augadouro ou aguador- Vasilha de lata que tem a forma de um tronco cilindrico atravessado obliquamente, por um cabo de madeira comprido, estando a parte do cabo que atravessa a lata envolvida numa bainha cilíndrica de lata. Serve para tirar água de tanques ou de poças, mas somente com dois se consegue alimentar um bom rego de água.
Água-pé- Bebida obtida pela adição de água ao bagaço das uvas e devidamente fermentada. Vinho fraco.
Aguardente- Líquido alcoólico obtido pelas destilação de substâncias vegetais fermentadas- figos*, medronhos*, abrunhos*, pêssegos*, cerejas*, bagaço de uvas, mel, ...-, susceptível de ser directamente consumido como bebida. É composto de álcool, água e um óleo essencial que lhe dá o cheiro e o sabor.
Agúdia ou Agúdea- do franc. agude, Formigas de asas utilizadas como iscos, na caça de aves, que se colocam nas costelas, armadilhas ou ratoeiras. Agude. Apanhavam-se cavando os formigueiros*. Deixavam estes depois da primeiras chuvas e voavam até perder as asas.
Agudião- Macho da agúdia, de tamanho mais pequeno.
Aguilhada- Vara delgada e comprida com ferrão na ponta para picar e conduzir os bois na lavoura, na debulha e na carretagem. Medida, em Coimbra, no século XV, igual a dezoito palmos.
Aguilhão- Vara com uma pua* de ferro cravada na ponta de que os carreiros se servem para tanger/tocar os bois. Ferrão de alguns insectos.
Agulha- Haste fina de aço aguçada de um dos lados e com um orifício noutro. Folha seca de pinheiro. Caruma*. Agulha albardeira: Agulha especial que se usa no fabrico de albardas*.
Aiveca- Cada uma das duas peças oblíquas que ladeiam a relha* do arado* e serve para afastar a terra do rego, deitando-a para o lado. As orelhas da aiveca servem para alargar ou diminuir o rego.
Ala- Palavra designativa de ordem: Vamos embora daqui, imediatamente, ala.
Alambique- do ár. alambiq, Aparelho de destilação composto da cucurbita ou caldeira, capacete ou capitel e serpentina. Muitos dos agricultores de Mouriscas eram possuidores deste aparelho, destinado ao fabrico de aguardente de figo, uvas, medronho, ... .
Alambuzar- Lambuzar*.
Alapardado- Escondido atrás ou debaixo de alguma coisa.
Alavanca- lat. palença- Barra redonda de ferro, aço ou de madeira comprida, terminada dum lado em ponta ou patilha que se utiliza para mover ou levantar coisas/objectos pesadas.
Albarda- do ár albarda’a, Espécie de sela* feita de pano grosseiro ou lona* cheia, normalmente de palha de centeio* que se põe nas bestas de carga*, destinada a adoçar o peso, a facilitar o carrego e a dar montada. É sobre a albarda que se ajustam as cangalhas*, o ceirão, os sacos e os cestos.
Albardada- Iguaria coberta com massa de farinha de trigo, ou ovos, para a fritar. Animal com a albarda colocada no dorso.
Albardadura- Aparelho completo para albardar as bestas, composto de albarda*, cilha*, atafal* e cabeçada*.
Albardão-  Albarda grande.
Albardar- Colocar a albarda nas bestas. Envolvimento, antes da cozedura ou fritura, a carne, peixe, feijão verde, figos secos, em farinha.
Albardeiro- O artesão que faz, vende e conserta albardas.
Alcachofra- do ár. alkarshof, Nome pelo qual são conhecidos em Portugal os capítulos de várias plantas da família das compostas, do gen. Cynara, Lin . As flores da C. Cardunculus, espontânea e cultivada, fornecem o chamado cardo do coalho, utilizado no fabrico de queijos.
Alçapão- Abertura no soalho ou no tecto com tampa levadiça que estabelece a comunicação com o pavimento inferior ou superior.
Alcatrão- Produto das destilação de certas árvores resinosas e da hulha.
Alcatruz- do ár. alkaduz=jarro para água ou para vinho. Cada um dos vasos, de barro ou de metal, com que se tira a água da nora*. Estão ligados à roda da nora de forma que desça de boca para baixo, na primeira metade da rotação e suba cheio de água na segunda, e quando no cimo da roda se incline, entorne a água num tabuleiro disposto para a receber. Para conservação eram banhados numa calda de alcatrão e furados no fundo para esvaziar a água e não apodrecerem quando parava o engenho. No Inverno, por desnecessária a rega, tiravam-se da nora e guardavam-se até à Primavera.
Alcofa- Cesto flexível, de esparto ou de palma. Muito utilizado na vida doméstica para guardar ou transportar ovos, frutas, ... .
Alcunha- Epíteto por que se designa alguém, tirado de algum caso fortuito ou de alguma particularidade, física, moral, profissional, terra de nascimento, ..., que se acrescenta ao próprio nome e ao de família.
Aldeias- Lugar habitado da freguesia de Mouriscas.
Aldraba- Argola, ou peça de ferro de ferro ou bronze, de muitas formas, fixa por uma extremidade na parte anterior das portas a qual serve para bater nesta, chamar, e para levantar a tranqueta* que segura a porta do lado de dentro. É móvel na parte superior e termina inferiormente, em martelo.
Alecrim(Rosmarinus officimalis, Lin)- do ár. alikil, Planta vivaz, aromático, da família das labiadas, muito abundante em todo o País, com largas aplicações terapêuticas: o chá é calmante e alivia as doenças do coração, ajudando também a limpar o estômago, a restabelecer o apetite e abrir o apetite. O cheiro do alecrim, colhido no dia de S.João queimado livra as casas dos raios das trovoadas.
Aleitar- Alimentar, criar com leite. Dar de mamar, amamentar.
Alembrar- Forma popular delLembrar.
Alface- ( Lactuca sativa. Lin), do ár. alkhass, Planta hortense, anual, herbácea, cultivada nas hortas e com larga utilização em saladas. São muitas as variedades cultivadas.
Alfaia- do ár. alhaja, Qualquer dos objectos que guarnecem uma casa agrrícola para o seu serviço.
Alfaias agrícolas- Conjunto de objectos, ferramentas, artefactos ou utensílios usados pelos homens do campo nas suas polivalentes tarefas e que constitui o material indispensável a uma exploração agrícola. O mais usual em Mouriscas era o seguinte: aguilhadas, alambiques, alavancas, albardas, albardões, alicates, ancinhos, arados, arganéis, asados, augadouros, baldes, bornis, cabazes, cabrestos, canastras, canastros, cangas, cangalhas, canivetes, carros, carros de mão, ceirões, cestas, cestos, chambaris, chocalhos, coleiras, cordas, cordéis diversos, correntes de ferro, correias vegetais e de animais, cortiços, covas de bagaço, crivos, dobadoiras, eiras, enxadas, enxadões de petas, enxadões, enxofradeiras, escadas de madeira, escadotes, estacas de madeira e de ferro, focinheiras, foices, forcados, forquilhas, gadanhas, gadanhos, gaiolas, gamelas, grades, gramas, guilhos, maceirões, marrões, marretas, martelos, medidas para líquidos e sólidos, moueiras, navalhas, noras, padieiras, pás de madeira e de ferro, pedras de afiar, picaretas, picotas, poços, podoas, podões, potes, pulverizadores, rasoiras, ratoeiras, regadores, roçadouras, sacaria, sachos, sacholas, sarilhos, sacos, serras, serrotes, sovinos, talhas, tanques, tesouras, tesouras de podar, trados, trilhos, turqueses, varas, varejões, vassouras, verrumas,... . Muitas destas alfaias remontam ao tempo dos celtas, romanos, árabes e ainda conservam as suas antigas designações e funções.
Alfaiate- do ár. alkhayyat, Aquele que, por ofício, talha ou cose os fatos de homem.
Alfavaca-de-cobra- Planta herbácea vivaz da família das urticáceas, muito utilizada na medicina popular, com diurético e contra certas dermatoses e estados febris.
Alfazema- do ár. alkhugama, Planta ornamental e aromática, subarbustiva, lenhosa da família das labiadas. As suas propriedades medicinais são a sua acção anti-séptica, cicatrizante, diurética, anti-reumática, ... . É utilizada em todo o País para defumadoiros, benzeduras e sortilégios com que se afastam bruxedos e malefícios. Também se usa para matar as traças das roupas quando guardadas em arcas ou malas.
Alfinete- do ár. alkhilãl=instrumento perfurante, Haste fina de metal, aguçada numa extremidade e terminada na outra por uma cabeça, para pregar ou prender peças de vestuário, segurar papéis, ... .
Alfobre- do ár. alhufra=rego, Viveiro de plantas para transplantar. Terra, canteiro, caixote em que se semeiam as plantas e se deixam crescer até ser tempo de ser transplantadas para lugar próprio.
Alforge ár. Alhurj =sacola, Espécie de saco comprido de pano com dois compartimentos dobrado ao meio, formando assim como duas bolsas ou bornais, que se enchem equilibradamente, que se usa ao ombro, com uma parte no peito e a outra nas costas, ou sobre a cavalgadura. Serve para transportar fazendas, roupas, mantimentos, etc. Alforge.
Alguidar- do ár. algidâr=escudela de barro. Vaso de barro vidrado, madeira ou metal em forma de tronco de cone invertido, achatado, que serve para diversos usos domésticos, designadamente, na cozinha e na preparação dos enchidos após a matança do porco. Existem de vários tamanhos.
Alguidarito- Alguidar* pequeno.
Alhada- Porção de alhos. Enredo, intriga, dificuldade, encrenca.
Alho- do lat. allium sativa, L, Planta hortense pertencente à família das liliáceas que é representada em Portugal por cerca de 25 espécies e umas 20 variedades e sub-espécies.O alho ordinário, o A Sativum, Lin, é cultivado em todo o País para condimento e tem as tépalas esbranquiçadas. Dente de alho: cada um dos gomos em que se divide o fruto ou cabeça de alho. É muito apreciado em culinária e utilizado na medicina popular: Diminui as dores de dentes quando com ele se esfregam e quando como cru expulsa as lombrigas e alivia as dores reumáticas.
Alicate- do ár. allakkat=tenaz, Ferramenta formada por duas barras ou peças de ferro ou aço, articulada em tesoura, de pegas curvas, de pontas chatas ou redondas, utilizada para segurar peças metálicas, torcer arame, coser papéis, ... .Usada por inúmeros profissionais.
Alimária- Animal irracional. Besta de carga.
Alimpa- Acção de alimpar(árvores, campos, cereais, ... ): Desbaste ou corte de ramos ou folhas, velhos e supérfluos. Limpa.
Alimpador- Que ou o que alimpa ou limpa. Instrumento de limpar.
Alinterna- Corruptela de lanterna*.
Almagre- do ár. alamagra=terra vermelha, Variedade de argila avermelhada que se usa nas pinturas grosseiras. Almagra.
Almanjarra ou almanjar- do ár. almajarre= viga, Pau ou trave que o animal puxa para mover a nora ou a atafona.
Almece- Soro branco de, cabra ou ovelha, que escorre do queijo, quando este é apartado no chincho, ou com as mãos. Servia de alimentação das pessoas e também dos suínos.
Almeirão(Chichorium intybus, L.)- do ár. ala(i)ron=amargo, Planta denominada também chicória brava, da família das compostas, vivaz, herbácea, que é usada na alimentação e na medicina popular para combater a anemia, a astenia, a diabetes, a icterícia e a obstipação, entre outras. Serve para saladas e para alimentação dos porcos. Moirão.
Alminhas- Nichos com a cruz ou imagens que se encontram pelos caminhos. Caso de Nossa Senhora dos Aflitos, no Casal da Venda e do Nicho perto da Igreja Matriz.
Almocreve- ár. almukari=alugar bestas. Homem que aluga e conduz bestas de carga. Azemel. É um vendedor ambulante, que guia um animal para o transporte de mercadorias que andava no negócio de terra em terra, com horários e percursos definidos, que podia vender azeite, panos e rendas. Tendeiro; ou Almocreve- Reçoveiro que transporta a carga e as encomendas sobre o dorso de cavalgaduras, ordinariamente, mulas ou machos. Antes que as comunicações e os transportes tivessem o progresso dos caminhos de ferro, os almocreves prestaram indispensáveis serviços ao País e que hoje se limitam a pequenas distâncias. ( Portugal-Diccionario, Histórico, ... ; I, 1904, 315)
Almofada- Espécie de saco, geralmente, rectangular, cheia de lã, trapos, ou qualquer outro material macio, que serve para pousar a cabeça ou recostar, comodamente, o corpo. Peça de madeira rectangular ou oval que ressai nas portas, janelas, paredes, móveis, ... .
Almofadão- Almofada grande.
Almofariz- do ár. almihards, Vaso de madeira, metal(cobre), pedra, vidro ou qualquer outra matéria, em tronco de cone onde se pisam várias substâncias para as reduzir a pó ou para fazer a mistura íntima de várias substâncias já pulverizadas, com o pilão ou mão do almofariz.
Almofeira- Líquido escuro que escorre das azeitonas entulhadas e do fabrico do azeite. Reima ou água ruça.
Almotolia- do ár. almutli, Vasilha de lata ou alumínio de forma cónica, de fundo largo e boca estreita, com um bico fino e comprido, para azeite. Azeiteira. Amotolia. Amentolia.
Almude- do ár. almudd=antiga medida de cereais ou líquidos=12 canadas=48 quartilhos=25 litros. Medida de capacidade que varia de região para região, à roda dos 20 litros. Igual a 2 alqueires ou a 2 cântaros.
Aloja- Loja*. Estabelecimento comercial. Parte da casa de habitação onde se guardavam vãrios produtos e alguns artefactos.
Alombar- Aguentar, meter ombros.
Aloquete ou loquete- Cadeado.
Alpendre- Telheiro*. Tecto saliente que serve de cobertura à entrada de um edifício. Coberto de três paredes, construído fora da casa onde estão os apetrechos da lavoura.
Alpercata ou alpargata ou alparca, Espécie de calçado cuja sola se ajusta ao pé por meio de tiras de coiro ou de algum tecido. Pop:. Alpergata.
Alperce- Fruto do alperceiro. Damasco.
Alqueire- do ár. alkail, Medida para cereais e líquidos, de madeira ou metal. É variável de terra para terra. Em Abrantes vale 14 litros para cereais e 10 para líquidos. Antiga medida de sólidos e de líquidos, bem conhecida em Portugal, desde os seus princípios, porém com grandes diferenças nas comarcas e concelhos. D. Pedro I mandou regular o alqueire de todo o reino pelo de Santarém, com o que cessaram, em grande parte as diferenças. Actualmente equivale a 13,8 litros. No século XII era conhecido por módio. Existiam várias espécies de alqueires: o alqueire acogulado, era aquele que ficava de cogulo, com mais cereal; o alqueire abraçado, era aquele que era arrasado com o braço; o alqueire de braço curvado, em se arrasava com o cotovelo, que ficava com menos cereal; e o alqueire de mão posta, que ficava compreendido entre o acogulado e o arrasado. ( Portugal-Diccionario,Histórico, ... ; I, 1904, 335-6)
Alqueive- Terra que se lavra e deixa de pousio para se tornar mais produtiva.
Aluado- Diz-se dos animais que andam com o cio. Influenciado pela lua.
Alumiar- Deitar luz sobre, dar claridade a, iluminar.
Alvaiade- Carbonato de chumbo, de cor branca ou amarelada.
Alveira- Diz-se das pedras dos moinhos que moem o trigo.
Alveiro- De cor branca. Diz-se do moinho que só mói pão alvo ou de trigo.
Alveitar- do ár. albaitar=ferrador. O prático que trata as doenças dos animais por curiosidade. Curandeiro de animais. Em Mouriscas era o ferrador que desempenhava tal ofício.
Alvéola- Pequena ave insectívora, da ordem dos pássaros cornirrostros. Alvela. Pop: alvérola.
Alvião- Instrumento de ferro com cabo de pau que serve para desaterros, arrancar pedras, cavar terra dura, ... . É um martelo ponteagudo de um lado e do outro terminado em gume, perpendicular ao plano do cabo de madeira, que entra num olhal situado a meio. Picareta*.
Alvo- Branco, claro. Pão alvo=pão de trigo. Ponto de mira.
Amadurecer- Tornar ou tornar-se maduro, sazonado.
Amanhar- Lavrar, cultivar, agricultar as terras. Trabalhar com as mãos, consertar, arranjar.
Amansar- Tornar manso, domesticar, domar.
Amarfanhar- Amarrotar, amachucar, encher de pregas e vincos.
Amargar- Ter sabor amargo.
Amargor- Travo ou sabor a amargo.
Amargoso- Com sabor amargo.
Amarujar- Ter sabor ou tornar-se levemente amargo. As couves amarujam excessivamente, estando quase intragáveis.
Amásia- Amante.
Ambria- Fome.
Amechegueira- Corruptela de ameixoeira*.
Amêijoa- Género de moluscos acéfalos muito apreciados na cozinha portuguesa.
Ameixa- Fruto da ameixoeira*.
Ameixeira, ameixoeira, ameixieira(Prunus doméstica Lin)- Árvore frutífera, da família das rosáceas, originária do Oriente, cultivada em volta das culturas. O seu fruto come-se maduro e também se utiliza no fabrico de doces. Depois de seco ao Sol toma o nome de passas de ameixa.
Amêndoa- Fruto da amendoeira muito utilizado no fabrico de doces.
Amendoeira-(Amygdalus communis Lin.)Árvore frutífera da família das rosáceas amigaláceas, muito cultivada em todo o País. Por ser a primeira árvore a florir exprime a vigilância.
Amendoim- (Arachys hypogea Lin), Planta anual herbácea da família das leguminosas, cujo é o amendoim, também conhecido por ervilhanas e alcagoitas, é utilizado, torrado ou não, como aperitivo nas tabernas e nos cafés.
Amentolia- Corruptela de Almotolia*.
Amieiro- (alnus glutinosa Lin), Árvore ou arbusto da família das betuláceas abundantes nas margens dos rios e ribeiras e locais húmidos. Tem muitas aplicações no artesanato e na medicina popular tendo propriedades adstrigentes, cicatrizantes e febrífugas e forticantes.
Amiga- Concubina, amante.
Amojar- Mungir, ordenhar. Encher de leite, apojar.
Amojo- Entumecimento das tetas pelo leite.
Amolador- Indivíduo cujo ofício é amolar instrumentos cortantes. Amolador detesourase deita-gatos: artesão e figura popular que andava de porta em porta que consertava guarda-chuvas, amolava facas, tesouros e navalhas e deitava gatos em pratos, bacias, alguidares e louça fina. Gateiro*
Amolar- Afiar, tornar cortantes as lâminas de aço, com a ajuda mó ou pedra de amolar ou pedra especial como as das facas, tesouras, brocas, formões, machados, e outras tantas ferramentas usadas noutras artes e ofício. Amolgar
Amolegado- Amachucado, amolgado, amossado. Amolado.
Amora- Designa-se por este nome o fruto múltiplo constituído por pequenas drupas, em geral, pretas quando maduras, provenientes da amoreira(Morus) e da silva(Rubus). Das amoras de silva fazem-se compotas, de grande utilidade para os casos de incontinência intestinal.
Amor-de-hortelão- Planta arbustiva, rubiácea, anual, que, por meio dos caules e dos frutos, se prende ao vestuário dos caminhantes desprevenidos, servindo-se dos seus acúleos recurvados para se agarrar aos arbustos próximos. Dá flores brancas. Dos frutos pode fazer-se um sucedâneo do café e da raiz extrai-se um corante vermelho. Para além das suas propriedades diuréticas, é eficaz nos problemas de circulação das pessoas idosas. O seu suco fresco ou uma cataplasma de folhas verdes esmagadas colocadas sobre uma ferida pode fazer parar uma hemorragia.
Amouchar- Ficar subjugado a algo.
Ançaimo- Açaimo*.
Ancinho- Alfaia agrícola composta por duas peças fundamentais: o pente de ferro ou de madeira e o cabo em madeira que entra no encabadoiro com olho. Com quatro ou mais dentes de ferro ou de madeira serve para amanhar terras, quando tem dentes de ferro e nas eiras, quando de madeira, para juntar a moinha e os cereais durante a malha.
Ancoreta- Pequeno barril chato e comprido, especialmente, para conservar líquidos espirituosos.
Andaço- Doença contagiosa que grassa em determinado lugar.
Andaime- Construção provisória de madeira, de pinho, eucalipto ou metal..., que se arma para construir, reparar ou pintar qualquer edificação ou parede.
Andamoso- Diz-se em referência à qualidade que o lugar onde se anda oferece ao andar: um caminho mal andamoso significa que é difícil de andar.
Andarilho- Homem que anda muito, por ofício ou por gosto. Lacaio que acompanhava a pé as carruagens e cavalgaduras. Andarim. ( Portugal-Diccionario,Histórico, ... ; I, 1904, 487)
Andas- Pernas ou muletas de madeira, com um estribo ou ressalto para apoiar os pés. Destinam-se a facilitar ao homem a marcha em terrenos especiais -pantanosos ou acidentados- ou simplesmente a aumentar a estrutura humana para fins desportivos ou para brincadeira dos rapazes.
Andorinha- Pássaro fissirostro, de arribação, que chega em Março e despede-se no fim do Verão.
Andrajo- Farrapo, trapo. Plur.: Roupas velhas e rotas.
Anecral- Corruptela de lacrau*.
Anecril- Forma popular de dizer alecrim*.
Anegaça- Engodo. Provocação. Negaça.
Animal- Ser organizado, dotado de sensibilidade e de movimento voluntário. Besta de montar ou de tiro, cavalgadura. Pop. Pessoa estúpida, grosseira, bruta.
Anselmo- Lugarejo habitado da freguesia de Mouriscas, com duas ou três famílias.(1869)
Antolhos- Peças de couro, pano ou outro material, colocadas nas cabeçadas das bestas, para que não possam ver para os lados, mas apenas para a frente e para baixo.
Apajar- Limpar cereais na eira lançando-os ao vento com a pá. Padejar.
Apalavrado- Combinado por palavras, ajustado, acertado de viva voz.
Apanha- Acção ou efeito de apanhar. Diz-se especialmente da colheita de cereais, dos frutos ou das flores ou dos arbustos.
Aparadeira- Mulher que apanha o bebé ao nascer. Parteira.
Aparador- Móvel de casa de jantar ou de copa, que tem armário inferiormente e prateleiras abertas ou envidraçadas por cima, onde se guardam louças, cristais, pratas.
Aparaltar- Tornar garrido, janota, enfeitar. Aperaltar.
Aparelhado- Provido de todos os arreios necessários, arreado: macho aparelhado, charrete aparelhada.
Aparelho- Acção de aparelhar. Instrumento, ferramenta, utensílio. Trem de lavoura.
Aparrado- Que tem muita parra*, folhas, enramado.
Apartado- Separado. O Zé Maria está apartado da mulher.
Apascentar- Levar ao pasto. Fazer pastar.
Apatetado- Um tanto ou quanto pateta. Aparvalhado.
Apeaça- Correia com que se liga o boi à canga pelos chifres. Ou aos cornos de outro boi: corneira. Cornal.
Apego- Temão da charrua, rabiça do arado. Pega do regador*.
Apeiragem- Conjunto de instrumentos de lavoura. Correame necessário ao carro ou à charrua.
Apeiro- Correia ou temoeiro* que prende a canga ao cabeçalho do carro, ao arado, à nora, ... . Instrumento.
Apisoamento- Acto de apisoar. Pisoteio.*
Apisoar- Pisoar, calcar.
Apolentar- Palpar a fruta com os dedos para ver se está madura. Apolegar. Acto muito vulgar no campo antes de fazer a sua compra.
Aprendiz- O que aprende(rapaz)especialmente uma arte ou ofício.
Aprestos- Tudo quanto é necessário para fazer alguma coisa. Aparelhamento, preparos.
Apurado- Qualificado, dado como bom, na inspecção*, para o serviço militar. Reduzido, tornado mais concentrado por ebulição ou operações adequadas.
Apurar- Processo que consiste em cozinhar lentamente os alimentos de modo a aumentar-lhe o sabor e a consistência: sopas, guisados, estufados, molhos, doces, ... .
Arado- do lat. aratu, utensílio para lavrar a terra. Charrua. É composto de três partes: O dente ou dental, o rabelho ou rabiça e o temão, timão ou tomão. Utiliza-se na lavoura e é puxado por dois animais, excepcionalmente, por um, permitindo, através da mobilidade da roda, revolver a terra à profundidade desejada.
Aranha- Animal pertencente à ordem e à classe dos aracnídeos. Fig. Andar às aranhas: atrapalhar-se com qualquer coisa.
Aranho- Diz-se de uma aranha de grande tamanho.
Arca- Caixa grande, com tampa chata, às vezes montada em quatro pés, construída de madeira, de choupo, nogueira, pinheiro, ... e empregada para guardar roupas ou adornos domésticos e mais modernamente cereais, farinha, ... .
Arco-íris- Fenómeno luminoso que se observa na atmosfera, quando a luz do Sol incide num aglomerado de gotas de água e que consiste no aparecimento, do lado oposto ao Sol, dum arco de círculo, contínuo ou interrompido, de cores geralmente vivas. Também é designado, popularmente, por arco celeste, arco-da-velha, arco-de-Deus ou arco-da-chuva.
Ardósia- Xisto argiloso geralmente cinzento escuro azulado que se lasca com facilidade em folhas delgadas com várias utilidades. Pedra que os estudantes das primeiras classes usavam para o estudo da aritmética.
Arganel ou Arganéu- cat. argannel Anel de metal que se atravessa no focinho do porco para o impedir de fossar. Utensílio ligado às cordas de prender os animais para a corda não torça e parta.
Argila- Substância terrosa, constituída por silicato de alumínio hidratado, que amassada em água é susceptível de se moldar. É a matéria prima da indústria cerâmica, dando produtos como a louça de barro, as telhas, os tijolos, os potes, as talhas, ... . Grega. Barro.
Argola- do ár. algoll=coleira de ferro. Qualquer objecto de forma circular de qualquer matéria que serve para se atar e enfiar alguma coisa por ele. Aro. Anel. Arrecada.
Argueiro- Palhinha, aresta muito pequena. Corpo estranho, partícula que se introduz no olho.
Armadilha- Qualquer aparelho para apanhar caça, com rede, laço, gaiola, costela, ratoeira, ... .
Armário- Móvel, geralmente, mais alto do que largo, provido de uma ou mais portas, divisões internas, onde se guardam, roupas, louças e outros objectos.
Arneiro- Solo arenoso, pobre e pouco apto para as culturas arvenses, mas próprio para sobreiros e pinheiros.
Arrã= Corruptela de *-
Arraial- Aglomeração festiva de povo, com música, foguetes, barracas para a venda de bebidas, comestíveis, bugigangas, ... . Romaria.
Arraigado- Que deitou raízes. Seguro pelos raízes, enraízado, radicado. Profundamente gravado na memória, nos costumes, na tradição, na cultura.
Arrançar- Criar ranço. Alteração das gorduras em contacto com o ar: Toucinho ou azeite rançoso ou com arranço. Pop. Ralhar ou zangar-se: os dois irmãos andam sempre a arrançar um com o outro.
Arrasar- Encher até ao máximo, encher a transbordar. Passar a rasoira* nas bordas da medida para lhe tirar o cogulo.
Arrátel- do ár. ar-ratl=libra, Moeda antiga de peso equivalente a 459 gramas, isto é, a quatro quartas ou 16 onças. 1/32 da arroba.
Arre- Voz usada para incitar as bestas a andar: arre macho!
Arrear- Pôr o aparelho, os arreios nas bestas. Arrear o calhau; Defectar. Cagar.
Arreata=Reata- Corda ou correia para levar ou prender as bestas; rédea*.
Arrebate- A soleira ou entrada duma porta, ou seja a pedra que forma o piso da entrada da porta.
Arrebentado- Estafado, sem forças, desfalecido. Furúnculo que chegou à supuração. Diz-se da planta que abrolhou, que lançou gomos. Explodido, deflagrado.
Arrebento- Os gomos ou renovos das plantas. Rebento.
Arrebolar- Rebolar
Arrecadar- Guardar, pôr em bom recato.
Arreceber= Receber.
Arrecuar- Recuar, andar para trás.
Arredar- Afastar, fazer recuar, desviar.
Arregaçado- Mangas reviradas e enroladas de modo a que os antebraços fiquem à mostra.
Arreganhar- Tiritar, tremer, estar cheio de frio. Gretar( a fruta). Mostrar os dentes.
Arregoar- Fender-se, gretar( a fruta). Caso típico dos figos: Que bons são quando arregoados.
Arreio- Artefactos em couro, com elementos de metal nas funções de fixação ao corpo dos animais, às carroças e carros, ligação necessária à locomoção. Aparelho de bestas. Ornamento, enfeite, adorno.
Arrencar ou Arrincar- Corruptela de arrancar.
Arrepelão- Repelão. Puxão(pelos cabelos).
Arrepeso- Arrependido.
Arrilhada- Bico de ferro da aguilhada*.
Arrincar- O mesmo que arrancar.
Arroba- do ár. arrub= um quarto de quintal, Peso antigo equivalente à quarta parte do quintal ou seja 32 arráteis, e hoje arredondado em 15 quilos.
Arrochada- Pancada com um pau, paulada, cacetada.
Arrochar- Apertar com o arrocho. Apertar com qualquer corda, fico, baraço, ... .
Arrocheiro- Arrieiro, almocreve.
Arrocho- Pau curto arqueado para apertar as cordas, especialmente a cilha* que seguram a carga ao lombo das bestas. Torto como um arrocho: Pessoa que tem mau génio, bravia, irritável.
Arrodilhado- Feito em rodilha*. Enrodilhado*.
Arrojar- Levar de rojo ou de arrojo, arrastar.
Arrojo- Acto ou efeito de arrojar*. Arrastamento. Ousadia, atrevimento, audácia
Arrotear- Romper terra maninha; desbravar; surribar com a enxada ou lavrando.
Arroto- Eructação.
Arroz(Oryza sativa, Lin)- Planta anual da família das gramíneas, cultivada nos países quentes e temperados. O grão deste cereal é universalmente utilizado na alimentação humana; arroz malandro, que é cozido em abundante água; arroz doce, Cul., Doce tradicional à base de arroz cozido com leite, açúcar, ovos, polvilhado com canela. Servido usualmente como sobremesa.
Arruda- Planta lenhosa da família das rutáceas, de cheiro activo e folhas amargosas. Qualidades medecinais. Afugenta o demónio.
Arte- do lat. arte, Conjunto de preceitos ou regras para bem dizer ou fazer qualquer coisa.
Artefacto- do lat, arte+factu, Produto manufacturado; obra de trabalho mecânico.
Artelho- do lat. articulu, extremidade inferior, saliente e arredondado, dos ossos da perna, na articulação com o pé; tornozelo. Pop: Ortelho.
Atentar- Obervar com tento. Pop: aborrecer, importunar.
Artesa- Recipiente em granito ou escavado num troco de árvore onde o porco comia a vianda*, também conhecido por maceirão.. Também caixa de amassar o pão; masseira*.
Artesanato- Peças, utensílios ou objectos fabricados pelos artesãos.
Artesão- do lat. artesanu, O que tem e desempenha uma arte. Artífice. Artista.
Arvenses- As culturas herbáceas, em geral, anuais, normalmente extensas: os cereais, as leguminosas, as batatas, ... .
Pesquisa e Texto de : Carlos Bento, Etnólogo e Prof. Universitário.
(Continua)
publicado por casaspretas às 11:55
link do post | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. Linguagem e Cultura nos m...

. Linguagem e Cultura nos m...

. Linguagem e Cultura nos m...

. Linguagem e Cultura nos m...

. Lingua e Cultura nos mead...

. Lingua e Cultura nos mead...

. Lingua e Cultura nos mead...

. Língua e Cultura nos mead...

. Língua e Cultura nos mead...

. Lingua e Cultura nos mead...

.arquivos

. Março 2008

. Novembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Outubro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Abril 2006

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds