Segunda-feira, 26 de Fevereiro de 2007

Lingua e Cultura nos meados do sec. XX(8)

 

 

(CONTINUAÇÂO)

Carqueja- Planta rasteira sub-arbústea silvestre, de flores amarelas, que, depois de seca, se emprega como acendalha e na matança para chamuscar o porco. Tem propriedades medicinais. O chá da sua flor serve para baixar a tensão arterial.
Carraça- Aracnídeo do grupo dos ácaros que se agarra à pele de certos animais, com relevo para os cães e aí vive, sugando o sangue. Também nos humanos provocando a febre da carraça.
Carrada- Aquilo que um carro transporta de uma vez. Grande quantidade de algo. Hoje, cedinho, fui buscar uma carrada de mato.
Carrapeteiro- Espécie de pereira brava. Carrapeta.
Carrapicho- Cabelo que se ata no alto ou na parte posterior da cabeça. Carrapito.
Carrapito- É um amontoado de cabelo, feito com tranças enroladas em espiral, sobre a nuca, tradicional penteado das mulher do campo, mantido com ganchos metálicos, de tartaruga ou de plástico.
Carrasca- Casca seca exterior dos pinheiros. Usava-se nas lareiras e para aquecer o forno, quando não havia abundância de melhores substâncias vegetais para o efeito.
Carrasco- Espécie de carvalho bravo arbustivo. Carrasqueiro.
Carraspana- Bebedeira, piela.
Carregadouro- Local onde se pode carregar. Pôr a lenha, feno, milho, figos ou a azeitona em carregadouro.
Carrego- Acção de carregar. Carga ou fardo que se transporta à cabeça, aos ombros, ... . Carga*. Pôr em carrego: colocar em acção de ser carregado.
Carreira, Antigamente, se tomava pelo caminho, capaz de por ele passar e andar um carro, donde talvez tomou o nome. ( Lugar habitado da freguesia de Mouriscas. Vereda, carreiro. Caminho habitual por onde seguem os veículos, barcos, ..., com pontos fixos de passagem durante o trajecto. Carril*.
Carreira= carril, Antigamente, se tomava pelo caminho, capaz de por ele passar andar um carro, donde talvez tomou o nome. ( Viterbo, Eluc. II, 74)
Carreiro- Aquele que guia o carro de bois; caminho estreito de pé posto, vereda; caminho que as formigas seguem umas após outras.
Carreto- Roda dentada que engrena com outra. Carrete. Acarreto, transporte, frete*. Preço do frete
Carriça- Pequeno pássaro dentirrostro de cor castanho-escuro.
Carriço- Planta ciperácea. Macho da carriça.
Carril- Lugar habitado da freguesia de Mouriscas. Trilho, sulco que deixam as rodas do carro. Carreiro, caminho estreito, atalho. Barra de aço sobre a qual giram as rodas de diversos veículos.
Carro- do lat. carru, Veículo para transporte de passageiros ou de carga, de duas rodas e de leito sempre rectangular, sendo constituídos por: rabeira, leito e príteca ou cabeçalho. Neste existia uma espera de madeira, que servia para manter o carro direito quando as bestas estavam desatreladas. Carro de mão: De uma roda que serve para transporte de pequenas porções: estrume, adubo, couves, ... .Carro de bois ou de bestas: aquele que é puxado, por ou dois, por bois ou parelhas para transporte de pessoas, mato, estrume, lenha, madeira, cereais, azeitona, pedra, ... .Também existia o carro de varais, puxado por um só animal. Na nossa região os carros eram leves, estrado rectangular, de eixo fixo e de roda alta, raiada, características que facilitavam a marcha.
Carroça- do it. carroza, Carro pequeno e grosseiro de varais, com taipais, para transportar carga e pessoas. Geralmente puxado apenas por um animal: macho, mula, burro ou burra. Raramente por um boi.
Carroceiro- Condutor de carroças. Fig. Indivíduo mal criado, grosseiro.
Carrocel- Aparelho colocado em feiras ou outras festas, movido por homens, bestas ou motor, em que animais figurados ou veículos giram à roda de um eixo central.
Cartaxo- Pássaro dentirrostro. Chasco*.
Carteira- Mesa para escrever utilizadas nas escolas. Espécie de bolsa, de couro, lona, ... , destinada a guardar documentos, dinheiro ou outro objectos.
Cartucho- Saca de papel pardo que se usava nas mercearias e outros estabelecimentos para guardar, arroz, açúcar, e outros géneros. Embrulho. Invólucro da carga da arma de fogo.
Caruma ou carumba- Folha de pinheiro. Nome colectivo das folhas secas do pinheiro, caídas e que serviam para a lareira, forno, estrumadas, camas do gado, ... . Agulha
Caruncho- Insecto coleóptero que corrói a madeira. Podridão, carcoma. Fig.Velhice, antiqualha.
Carunchoso- Cheio de caruncho, podre, carcomido.
Carvalhal- Mata de carvalhos.
Carvalheiro- Carvalho novo.
Carvalho- Grande árvore, de várias espécie do género Quercus lin.,cujo fruto é a bolota, sendo a sua madeira muito apreciada na marcenaria e construção civil. Medicinalmente está indicado para combater o alcoolismo, anginas, diarreia, frieras, gretas, hemorragias, hemorróidas, entre outras.
Carvão- Pedaço de lenha queimada ao abrigo do ar e não inteiramente consumida.
Casa- Edifício, especialmente o que serve para a habitação. Morada, prédio, moradia, lar. Estabelecimento de negócios.Casa de fora: divisão da casa pela qual se entra e sai na moradia e se destina aos banquetes dos casamentos, baptizados, matanças do porco. Casa de lume: dependência de habitação onde existe a chaminé, em cuja soleira se faz o lume para aquecimento no Inverno, se prepara a comida e se tomam as refeições.Casa do forno: Casa onde estava o forno de cozer o pão. Casa de telha vã: habitação ou divisão sem forro, com barrotes e telhas à vista. Muito fria no Inverno e quente no Verão.
Casacão- Casaco grande e largo, a modo de sobretudo*
Casaco- Veste com mangas, sem abas, para cobrir u busto do homem.
Casal- (de casa), Pequeno povoado, lugarejo, aldeia de poucas casas. Marido e mulher. Macho e fêmea.
Casal da Figueira- Lugar habitado da freguesia de Mouriscas.
Casal da Neta- Lugar habitado da freguesia de Mouriscas.
Casal dos Castanhos- Lugar habitado da freguesia de Mouriscas.
Casal dos Cordeiros- Lugar habitado da freguesia de Mouriscas.
Casal dos Lousos- Lugar habitado da freguesia de Mouriscas.
Casal dos Vares- Lugar habitado da freguesia de Mouriscas.
Casal Pita- Lugar habitado da freguesia de Mouriscas.
Casalão- Lugar habitado da freguesia de Mouriscas.
Casão- Casa grande, de grandes rendimentos. Casarão.
Casas Novas- Lugar habitado da freguesia de Mouriscas.
Casas Pretas- Lugar habitado da freguesia de Mouriscas.
Cascabulho- Casca que envolve algumas sementes. Escabulho.
Cascalheira- Lugar onde há muito cascalho. Local, ribeiras e rios, onde há pouca água e onde os peixes vão desovar: sável, bogas, ... .
Cascalho- Bocados de pedra, pedra em lascas. Mistura de areia, seixos e terra.
Cascalhos- Lugar habitado da freguesia de Mouriscas.
Cascar- Bater, sovar, espancar. Tirar a casca, descascar.
Cascarrão- Casca grossa das laranjas. Vinho cascarrão: vinho muito escuro.
Cascavel- Pequeno chocalho. Guizo*. Serpente venenosa.
Casco- Unha de solípedes ou ruminantes. Barril ou vasilha com aduelas.
Caseiro- Próprio de casa. Aquele que dirige uma quinta ou herdade de outrem.
Casmurro- Teimoso, caturra, cabeçudo.
Caspacho- Ver gaspacho*.
Casqueiro- Diz-se de um pão que tem muita casca ou côdea e por extensão negro e mal fabricado.
Castanha-. Do lat. castanea=castanha, Fruto do castanheiro*
Castanheiro- Género de árvores fagáceas cujo o fruto é a castanha. A sua madeira é muito apreciada na construção de mobiliário.
Castelo- Lugar habitado da freguesia de Mouriscas.
Catalão- Pop.Fruto do pimentão. Variedade de pimentão grande.
Catano- Órgão sexual masculino.
Catar- Procurar, pesquisar, examinar com atenção. Catar piolhos: Procurar os piolhos das cabeças, especialmente, das crianças, muito vulgares ainda num passado recente.
Catarro- Inflamação da mucosa, especialmente, das fossas nasais, da garganta e dos brônquios que origina uma secreção.
Cativo- Que desbota* facilmente. Que, devido à cor, torna mais visível a sujidade.
Catraia- Cachopa, rapariguita.
Catraio- Rapazinho, gaiato, miúdo.
Catrefa- Quantidade de pessoas, animais ou coisas. Caterva. Catrefada.
Catrina- Pop. Seio de mulher.
Caturra- Pessoa teimosa, aferrada às coisas antigas.
Cava- Um dos amanhos do solo, feito a braço, com o enxadão ou a enxada, em várias cultuiras, que se sucedem com vários intervalos.
Cavaca- Pedaço de lenha; cavaco, lasca de madeira. Utilizado para fazer lume. Cavaco. Bolo seco, leve e coberto de açúcar.
Cavada- Terra de mato que foi arroteada para nela semear centeio(Beira). Cava, lavra.
Cavadela- Golpe de enxada; enxadada. À primeira cavadela agúdias*= êxito na acção desenvolvida.
Cavador- Trabalhador de enxadão/enxada.
Cavalgadura- Besta cavalar, muar ou asinina. Pessoa estúpida, grosseira.
Cavalgar- Montar, andar a cavalo.
Cavalhadas- Divertimento popular e burlesco em que os parceiros vão montados em calvagaduras que tinha lugar durante as festas de verão.
Cavalitas- Ir às cavalitas, significa ir sentado nos ombros de uma pessoa. Acontecia com a rapaziada pequena que andavam às cavalitas dos familares, ... .
Cavalo- Animal doméstico da família dos equídeos(equus caballus) de corpo esbelto e musculoso, herbívero, que se utiliza para a montaria, carga e tiro e também na alimentação humana. Tronco de planta sobre que se faz o enxerto. O relincho do cavalo é sinal de gosto. Sonhar com cavalos é sinal de casamento.
Cavaqueira- Conversa amena entre vizinhos, amigos ou familiares.
Cavar- Cortar e revolver a terra com enxadão*, enxada, sacho, picareta ..., profundamente, para a remover ou fazer covas ou cavas e fins agrícolas.
Cavilha- Peça ou prego de madeira ou de metal para juntar ou segurar duas peças, por exemplo os alcatruzes das noras.
Cebola- Planta hortícola da família das Liliáceas, ( allium cepa Lin) e do seu bolbo comestível. Tem algumas aplicações medicinais: Faz desaparecer as verrugas e as impigens quando esfregadas com ela; o sumo de cebola com água faz desaparecer as lombrigas. Relógio de algibeira antigo, grande, espesso e arredondado. Relógio grande e de pouca qualidade. Pop. Pessoa moleirona, açorda
Cebolada- Molho adubado de cebolas; guisado em molho de cebolas.
Cebolo- Planta pequena de cebola que se tira do canteiro/viveiro para transplantar. Cebolinho.
Cedro- Árvore conífera que dá excelente madeira. Tal como o cipreste, simboliza a imortalidade.
Cegonha- do lat. ciconia. Ave pernalta de arribação. Picota*.
Ceia- do lat. coena, Refeição que se toma à noite e que geralmente era a última de cada dia.
Ceifa- do ár. çaifa=verão, acto de ceifar*. Segada. Colheita dos cereais; corte da seara. A ceifa à mão é ordinariamente efectuada com ranchos de ceifeiros, de ambos os sexos, munidos da foice*, que vão, dispostos em linha, cortando os colmos até juntar quantidade que a mão abarque, os “mantulhos” deitados depois sobre a terra, a constituir as paveias : Mais tarde aqueles eram juntos e atados com as nagalheiras formando os molhos, que agrupados constituíam os rolheiros ou as medas. Os ceifeiros usavam canudos que eram enfiados com o rabo estendido no dorso dos três dedos da mão esquerda (mendinho, vizinho e pai de todos) em três dedos e dedeira no dedo indicador(fura bolos), espécie de manípulo de coiro, que vem atar ao pulso com um cordão. O polegar( mata-piolhos) ficava livre. Com esta mão armada o ceifeiro agarra o cereal, ao tempo que a direita ceifa com a foice. Da porção abraçada pela mão( mancheia), tiram duas ou três espigas com que atam às outras. Ao feixe assim formado chamam mantulho, deitados depois sobre a terra. Do conjunto de mantulhos, que são apanhados e atados com as negalheiras pelo atador(homem ou rapaz), forma-se molhos, também atados com cordas feitas dos próprios cereais. Do conjunto de 12 molhos forma-se o relheiro que são levados para a eira e formam uma meda ou frascal. Numa companha de ceifeiros distinguiam-se: o companheiro: trabalhador que têm três ou mais anos de ceifa; o sobrenovel: o que vem pela segunda vez ao Alentejo; o novel: moço que vem pela primeira vez à ceifa, que pode ser um adulto, que vai buscar lenha, água e fazer recados.
Ceifar- Cortar cereais ou outros vegetais com foice, gadanha* ou máquina ou outro instrumento apropriado. Cortar, segar.
Ceifeira- Mulher que trabalha na ceifa, que sega as searas; máquina para ceifar
Ceifeiro- Homem que trabalha na ceifa, que sega as searas.
Celamim- Medida de capacidade que correspondia à décima sexta parte de um alqueire*. Celamil, salamil.
Celeiro- Lugar, casa, compartimento onde se arrecadam os cereais debulhados. Depósito de provisões.
Cementério- O mesmo que cemitério*.
Cemitério- Lugar sagrado onde se enterram os mortos.
Cenoura- Planta umbelífera, hortense, cuja raiz carnuda é comestível.
Centeio- Planta gramínea cerealífera, cujo grão moído dá uma farinha panificável, utilizada como mistura no fabrico do pão de milho. Diz-se da palha* e da farinha e do pão centeio*.
Cepa- Pé, caule de videira*; tronco. A parte inferior das árvores e arbustos, seja o tronco e as raízes, que se utiliza no fabrico do carvão. Não sair da cepa torta: Não progredir na vida. Ser de boa sepa: ser de família séria, honesta, trabalhadora.
Cepo- Pedaço de tronco de árvore cortado transversalmente, que servia de assento e para ajudar a trinchar* lenha e a cortar o matos para as estrumadas. Toro. A parte do arado* que entra na terra, isto é, a relha, as orelhas e o trenó.
Cera- Matéria mole, muito fusível, de tom amarelo claro, que as abelhas fabricam no seu cortiço.
(CONTINUA)
publicado por casaspretas às 16:59
link do post | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. Linguagem e Cultura nos m...

. Linguagem e Cultura nos m...

. Linguagem e Cultura nos m...

. Linguagem e Cultura nos m...

. Lingua e Cultura nos mead...

. Lingua e Cultura nos mead...

. Lingua e Cultura nos mead...

. Língua e Cultura nos mead...

. Língua e Cultura nos mead...

. Lingua e Cultura nos mead...

.arquivos

. Março 2008

. Novembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Outubro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Abril 2006

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds