Sábado, 15 de Julho de 2006

Língua e Cultura nos meados do sec. XX(4)

 

(Continuação) 
Belga- Courela de terreno. Pequeno campo cultivado. Cada uma das secções de terreno separadas por regos paralelos ou valados. Transo*.
Belhó ou beilhó- Filhó de farinha, abóbora doce e vários condimentos.
Belho- Tranqueta, lingueta da fechadura. Bedelho. Pequeno tronco de madeira ou metal utilizado em jogos infantis dos meados do súlo XX.
Berço- Caminha de criança. Infância. Terra. Lugar de origem.
Berlinde- Bolinha de vidro, de pedra ou metal para jogo de rapazes.
Bertoeja- Forma popular de brotoeja ou bortoeja*.
Besta- do lat. bestia, Quadrúpede. Animal de carga como o macho, mula e burro ou burra. Sobre a albarda dos animais, colocavam-se cargas diversas, com ajuda de cordas de enquerir, cangalhas*, alforges* e ceirões*. Os machos e as mulas eram animais de carga muito utilizados pelos moleiros.
Besuntar- Untar muito, sujar com substância untuosa.
Bezerra- Vitela, novilha. A pele deste animal depois de preparada destina-se ao fabrico de calçado.
Bezerro- Vitelo, novilho até aos dois anos.
Bibe- Espécie de avental ou quase vestido, com mangas, para as crianças não sujarem o vestuário.
Bica da Pedra. Lugar habitado da freguesia de Mouriscas, situada na margem esquerda da Ribeira da Arcês.
Bica- Pequeno canal ou telha* por onde corre a água ou outro líquido.
Bichana- Gata.
Bichanar- Dizer, falar em voz baixa, cochichar.
Bichano- Gato*.
Bicho- Denominação comum dos animais terrestres, especialmente, vermes e insectos. Pessoa feia, intratável, acanhada. Matar o bicho: desjejuar com aguardente ou outra qualquer bebida alcoólica acompanhada com figos secos(passas). Tratar dos bichos: Cuidar dos animais domésticos.
Bicho-carpinteiro- Escaravelho. Ser traquinas, irrequieto. Esta criança tem bichos carpinteiros
Bicho-de-conta- Pequeno crustáceo isópede, de cor escura, que se enrola quando se lhe toca.
Bichoso- Que tem bichos.
Bigorna- do lat. bicorna, Peça de ferro, com o corpo central quadrangular e as extremidades cónicas ou piramidais sobre a qual se batem e amoldam os metais. Artefacto usado por ferreiros e ferradores.
Bilha- do franc. bille, Vaso geralmente de barro, bojudo, de gargalo estreito. Botija*. Jarro*. Recipiente de cerâmica comum para o transporte manual e armazenamento de água. Possui uma única asa, podendo apresentar variações na altura da pança. A sua pasta permeável, mercê de uma cozedura incompleta, conserva-se húmida sem, contudo, permitir que a água se escape. A evaporação rápida operada no exterior provoca um abaixamento considerável da temperatura da água(estimado em 4 a 7 graus), relativamente à temperatura ambiente.
Bilharda- do franc. bilhard, Jogo de rapazes praticado com dois paus. Nome do pau mais pequeno.
Biqueira- bico, extremidade, ponta. Ponteira do calçado. Saída estreita do cubo por onde sai a água que vai accionar o rodízio de um engenho de farinação. Seteira. Telha* do beiral que sobressai.
Biqueirada- Pontapé dado com a biqueira.
Biquento- Pessoa que tem má boca, fastio. Fastiento.
Birra- Teima, obstinação, zanga.
Bisarma- Pessoa muito corpulenta. Coisa desconforme.
Bisca- do it. bisca, Nome de jogo de cartas. Os jogos da bisca e da sueca eram muito jogados nas tabernas.
Biscate- Pequeno serviço fora do horário normal de trabalho. Biscato.
Bocado- Porção de alimento que se mete na boca e se come de uma só vez. Certo espaço de tempo. Courela*. Pequeno terreno agrícola.
Bocal- Abertura de vaso, candeeiro, frasco, ... .
Boçal- Estúpido, rude inculto, grosseiro.
Boda- (de bodo), Celebração do casamento. Banquete que se dá por tal ocasião.
Bode- Macho da cabra. Chibato de casta para a cobrição.
Bodega- Comida, grosseira e mal feita. Este comer é uma grande bodega: não vale nada, não presta.
Bodum- (de bode), Cheiro muito activo e característico do bode não castrado. Cheiro e sabor a sebo* da carne de carneiro.
Boémio- Estroina, valdevinos, vagabundo.
Boer- Corruptela de beber. O Zé vem daí, vamos boer um copo a minha casa.
Bofe- do ár. boff=pulmão< baffe, soprar, pulmão. Plural: fressura* dos animais. A fressura de porco comia-se no dia da desmancha, ao almoço .
Bofetada- Pancada com a palma da mão no rosto. Insulto, ofensa.
Boga- Peixe acantopterígio, de corpo raiado, existente nas ribeiras e rios.
Boi- do lat. bove, Ruminante bovídeo empregado no serviço da lavoura, na alimentação do homem, ... . O boi de trabalho era castrado ou capado.
Boiça-, do lat. baltea=matagal, Terreno que só produz mato. Terreno inculto e murado onde se cria mata ou lenha. Grande fogueira.
Boiçar- Roçar e queimar o mato em terreno destinado a semear cereais.
Boída- Corruptela de bebida.
Boiz, Aboíz ou Aboís- Armadilha de caçar coelhos e aves( perdizes, gaios, melros, rolas, tordos, composta de uma vara do comprimento de 1,20 metros, à extremidade da qual se prende um fio, atado a um pauzinho chamado pinguel e que vai terminar em asa própria para fazer laçada corredia. A uma certa distância da vara e cravada no chão como ela, está uma outra muito mais pequena formando um arco ou gancho, sob que passa, depois de vergada a primeira, o pinguel, a que faz resistência uma azeitona ou grão, servindo de engodo, e à roda da qual está armada a laçada. Serve para caçar gaios, tordos, melros, pombos, rolas, perdizes, ... . ... .Varitana.
Bolacha- Bolo chato de farinha, com ou sem açúcar. Fig. Bofetada*.
Bolha- , do lat. bulla=esfera oca, Empola na pele. Fig.Maluqueira, mania.
Bolo- ( de bola), Massa de farinha, açúcar, ovos e outros elementos, cozida no forno ou frita., que tem a forma arredondada. Bolo de noiva: bolo oferecido pelos pais dos noivos aos amigos e convidados.
Bolo finto ou lêvado- Que levedou, fermentou ou fintou.
Bolor- , do lat. pallore=palidez, Vegetação criptogâmica que se formas nas matérias orgânicas quando entram em decomposição. Bafo, mofo. Fig.Velhice.
Bolorento- Coberto de bolor.
Bolota- Fruto da azinheira, doce, que se come velado na chaminé, assado e cozido. Também se punha na sopa de feijão com batatas. Antes da difusão dos cereais o homem alimentava-se de bolota e castanha. Boleta.
Bolsa- do lat. bursa, Saquinho de pano ou pele onde se traz o dinheiro. Saquinha fechada por meio de cordões ou fecho. Puxar pelos cordões à bolsa: ter de fazer uma despesa imprevista.
Bolso- Algibeira.
Bomba- Invólucro de papel com substâncias explosivas que os rapazes faziam rebentar, com grande estampido, pelo Carnaval. Aparelho para encher as câmaras de ar dos pneus e as bolas de futebol. Aparelho para elevar água.
Bombazina- Tecido aveludado de algodão.
Boneca- Pequena figura de mulher ou de menina, feita de pano, cartão, madeira ou porcelana destinada a brinquedos de crianças. Penso de pano que se coloca em volta de uma ferida. Pequeno embrulho de linho embebido em substância alimentar que se dá a chupar às crianças de peito. Bonecra. Fig. Mulher muito enfeitada. Mulher pequenina.
Boneco- Pequena figura de homem ou de rapaz, feita de pano, cartão, madeira ou porcelana destinada a brinquedos de crianças. Fig. Homem presumido, inútil, títere.
Bonifrate- Boneco de engonços* que se faz mover por meio de cordelinhos ou arames, que nas feiras encantavam a pequenada. Fig. Pessoa leviana, sem vontade própria.
Bonina- Margarida dos campos. Flor de Maio.
Bonisco- Excremento dos equídeos, muares e asininos utilizado no fabrico de estrume. Era vulgar algumas crianças irem aos boniscos, com uma cesta, pelos caminhos, cujo destino era as estrumeiras.
Boqueira- Pequena ferida na comissura dos lábios.
Borboleta- Insecto lepidóptero. Mariposa. Borboletas brancas são sinal de boa nova, as pretas de má. Fig. Pessoa volúvel.
Borcelar-Ant. Quebar as bordas.
Borcelo- Bocado.
Bordalo- Pequeno peixe de ribeiras e rios. Escalo.
Bordoada- Pancada com bordão: vara ou cajado. Cacetada, pancadaria.
Borga- Pândega, farra, vida airada.
Bornal- Saco que se usa geralmente a tiracolo e serve para levar provisões. Farnel. Saco de linho* ou de lona* em que se mete o focinho da cavalgadura para comer a forragem nela contida.
Bornil- Artefacto que se põe no pescoçoantes de atrelar os animais de tiro à carroça*, ao arado* ou à nora*.Borni. Trata-se de uma peça almofadada feita de palha de centeio e de couro, que assenta no pescoço dos animais, onde assenta a canga e os cangalhos*. . Por detrás do bornil colocava-se uma espécie de almofada, chamada fatilho*/suador*.
Borra- Fezes, lia, sarro. A borras de figos, resultantes da destilação de figos para o fabrico da aguardente, serviam para a vianda dos porcos. Eram próprias e ou compravam-se nas caldeiras industriais(destilarias), transportando-se em cântaros, à cabeça ou no dorso dos animais.
Borraceira- Chuva miúda, morrinha. Nevoeiro. Borraceiro.
Borracho- Bêbado. Pombo novo, implume.
Borrada- Sujeira, porcaria. Acção indecorosa.
Borrado- Sujo, porco. Medroso.
Borragem- Planta espontânea, herbácea borraginácea, anual, cujas flores azuis com estames escuros são usadas como sudorífero e no tratamento de doenças de pele, reumatismo e tosse. As suas folhas podem ser ingeridas cruas em salada ou cozidas em sopas. Borragem.
Pesquisa e Texto de : Carlos Bento, Etnólogo e Prof. Universitário.
(Continua)
publicado por casaspretas às 16:48
link do post | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. Linguagem e Cultura nos m...

. Linguagem e Cultura nos m...

. Linguagem e Cultura nos m...

. Linguagem e Cultura nos m...

. Lingua e Cultura nos mead...

. Lingua e Cultura nos mead...

. Lingua e Cultura nos mead...

. Língua e Cultura nos mead...

. Língua e Cultura nos mead...

. Lingua e Cultura nos mead...

.arquivos

. Março 2008

. Novembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Outubro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Abril 2006

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds